AQUELE QUE VIVE DE SONHOS

AQUELE QUE VIVE DE SONHOS, É FELIZ E HONRADO!
Nossa cidade merece sorrir!
Através deste blog você fica conhecendo minhas idéias, meu trabalho e interage comigo, contribuindo para o meu crescimento pessoal e profissional! Sinta-se à vontade para comentar!Grato!
‎"Quem não pode atacar o argumento ataca o argumentador."

Este Blog dedica-se à política na esfera municipal em qualquer parte do país. Logo, casos de corrupção em nível estadual e federal estão disponíveis apenas no meu Facebook. Raramente trato deles aqui.
Me adicione no Facebook: Aldeir Félix Honorato
Siga-me no Twitter: @AldeirFHonorato

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Duas mulheres?

Adicionar legenda
O dia 3 está chegando. Fim de guerra? É quase certo que Dilma Rousseff seja eleita. Quase. Se ela perder 7% dos votos válidos para os concorrentes, teremos segundo turno. E se isso acontecer com Marina Silva tendo ultrapassado José Serra, assistiremos a uma competição emocionante: duas mulheres disputando pela primeira vez a presidência do Brasil. Aí sim, um grande avanço republicano.

Por enquanto, a 12 dias das eleições, há um estranho silêncio nas ruas. Desinteresse, arrogância, depressão ou o quê? O jogo é mortal. Sabe-se. Mas jogar a toalha antes da derrota final ou se julgar por cima sem a vitória decisiva é coisa de amador. Quaisquer que sejam as previsões do resultado, não dá para exterminar a possibilidade de um imprevisto. Irreversível, só a morte.
E mesmo assim tem que ser morte matada ou morrida de verdade. Com o avanço da ciência, hoje se consegue ressuscitar quem já está no limiar do outro mundo, a partir de um atendimento de emergência altamente especializado. No caso, refiro-me à morte e à ciência políticas. Aos falecimentos súbitos, ou não, das candidaturas nesta competição presidencial.
Sem desprezar o empirismo. A experiência de velhas raposas não perdeu o prazo de validade. Basta observar políticos adaptados às incertezas. Eles conhecem a natureza humana, que adora desestabilizar previsões e pode mudar o clima de uma campanha política. A qualquer instante.
Vai que nesses próximos dias os escândalos estressem o eleitorado, o tiroteio de acusações o assuste e o encantamento publicitário não o atinja mais. De repente, eleitores poderão começar a enxergar Dilma como uma pessoa normal: mulher de carne e osso; não mais mulher-Lula, de fantasia. E aí, já dentro da normalidade, se permitiriam dar uma chance a Marina. Por que não?
Entre os candidatos, ela é quem tem o menor índice de rejeição. Reconhece os acertos dos governos de Itamar, FHC e Lula. Quando precisa critica com civilidade e firmeza. De quebra, tem uma bela história de vida pública e privada. Portanto, conseguiria ressonância para suas propostas de investimento no bem-estar social brasileiro. As quais dão continuidade à estabilidade econômica, ao Bolsa Família, ao sistema de crédito e outras conquistas que a população não quer perder.
Uma parte das classes sociais emergentes pode sacar, por exemplo, que quando a economia e o sistema de crédito vão bem, a iniciativa privada toca o mercado imobiliário numa boa; dando emprego à vontade (desde que a mão de obra se atualize e se qualifique). Assim como a indústria, a agricultura, o agronegócio e outros setores. Seja qual for a cor do governo.
Ainda há tempo para os eleitores se ligarem no desenvolvimento sustentável aplicado à qualidade de vida? Ou melhor, se ligarem nas idéias da candidata verde?
Para conseguir um segundo turno, porém, Marina terá de passar por uma prova decisiva. Terá de convencer 9,4 milhões de eleitores (num total de 135,8 milhões, não é tanto assim) de que somente um governo identificado com o meio ambiente estaria preparado para traçar os caminhos do país daqui por diante. Com infraestrutura adequada, urbanizado com saneamento, saúde e educação condizentes com o século em que vivemos, transportes...
Em resumo: Marina conseguirá tirar um número suficiente de votos da sua concorrente Dilma?

Ateneia Feijó é jornalista

Nenhum comentário: