AQUELE QUE VIVE DE SONHOS

AQUELE QUE VIVE DE SONHOS, É FELIZ E HONRADO!
Nossa cidade merece sorrir!
Através deste blog você fica conhecendo minhas idéias, meu trabalho e interage comigo, contribuindo para o meu crescimento pessoal e profissional! Sinta-se à vontade para comentar!Grato!
‎"Quem não pode atacar o argumento ataca o argumentador."

Este Blog dedica-se à política na esfera municipal em qualquer parte do país. Logo, casos de corrupção em nível estadual e federal estão disponíveis apenas no meu Facebook. Raramente trato deles aqui.
Me adicione no Facebook: Aldeir Félix Honorato
Siga-me no Twitter: @AldeirFHonorato

quarta-feira, 29 de junho de 2011

DESCONFIANÇA - TRIBUNAIS DE CONTAS TÊM 30% DE CONSELHEIROS SOB INVESTIGAÇÃO

Brasil. Tribunais de Contas têm 30% de conselheiros sob investigação - Carolina Alves, BRASIL ECONÔMICO, 13/06/11 12:30

Umberto Messias, presidente do TC do ES, foi condenado, em junho, a pagar R$ 25 mil de multa pelo desvio de R$ 4 mi. Ele ainda não foi afastado. Entre as principais acusações, estão recebimento de propina, desvio de recursos públicos e nepotismo.Sob suspeita de nepotismo, desvio de recursos públicos, tráfico de influências, recebimento de propina e uma lista extensa de crimes que deveriam, em tese, combater, 30% dos conselheiros que atuam nos 34 Tribunais de Contas (TCs) estaduais e municipais do Brasil passam por investigações ou processos administrativos.Hoje, há 238 conselheiros em exercício nesses órgãos de fiscalização, dos quais 78 estão envolvidos em escândalos e denúncias.O levantamento foi obtido pelo Brasil Econômico com especialistas, a partir de informações dos TCs regionais.Cada tribunal estadual possui sete conselheiros, cujas atribuições equivalem à de desembargador ou juiz. No âmbito municipal, são cinco conselheiros. Os candidatos ao cargo são escolhidos pelo governador e pela Assembleia Legislativa. Entre as funções dos conselheiros está a de auxiliar o Poder Legislativo no que compete à emissão de pareceres e ao julgamento de atos administrativos, como análise de licitações."Esse é o principal problema da indicação política em qualquer sistema", diz Adib Kassouf Sad, presidente da Comissão de Direito Administrativo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP).Para ele, a solução do problema está no critério de indicações."A seleção precisa ser melhorada com o estabelecimento de critérios de qualificação. Precisamos exigir formação jurídica e capacitação técnica dos conselheiros, além de investigar melhor a idoneidade dos candidatos antes da indicação aos cargos", afirma.Para a Federação Nacional dos Servidores dos Tribunais de Contas do Brasil (Fenastc), os conselheiros que sofrem investigação deveriam ser afastados do cargo."Como a reputação e idoneidade são requisitos constitucionais para que o indivíduo seja nomeado e permaneça no exercício, a simples existência de um processo deveria pressupor o afastamento do envolvido", afirma o presidente da instituição, Marcelo Henrique Pereira. Ao fim do processo, se comprovada a inocência do acusado, ele poderia voltar ao posto. Caso contrário, o afastamento seria definitivo."As Corregedorias têm ordem dos tribunais para instaurar procedimentos de apuração da conduta dos conselheiros, ministros, auditores substitutos e procuradores. Mas não é isso que tem acontecido. Não há caso algum de afastamento e punição nos 34 TCs do país", destaca Pereira.Procurado, o Tribunal de Contas da União limitou-se a informar que os tribunais regionais estão fora da jurisdição do órgão federal, pois são custeados com o orçamento local.COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Os Tribunais de Contasdeveriam pertencer ao Sistema Judiciário auxiliado por forças policiais fiscais, autônomas e independentes, e com o Ministério Público de Contas (já existente) para exercer a denúncia. Não dá mais para aceitar e nem confiar em um tribunal com a responsabilidade de fiscalizar os atos dos Poderes de Estado ter pessoas apadrinhadas por políticos e oriundos de partidos políticos.

FONTE: http://votozero.blogspot.com/

Um comentário:

Anônimo disse...

Meu caro Aldeir.

Esses homens são responsáveis por aprovar as contas de prefeitos corruptos, de prejudicar os mandatos dos que questionam os seus parceiros, de provocar dificuldades, com o intuito de colher facilidade$$$$$$.
O Tribunal Faz de Conta do Rio é um verdadeiro banquete da corrupção, principalmente se levar em conta as ultimas administrações em Paraíba do Sul.