AQUELE QUE VIVE DE SONHOS

AQUELE QUE VIVE DE SONHOS, É FELIZ E HONRADO!
Nossa cidade merece sorrir!
Através deste blog você fica conhecendo minhas idéias, meu trabalho e interage comigo, contribuindo para o meu crescimento pessoal e profissional! Sinta-se à vontade para comentar!Grato!
‎"Quem não pode atacar o argumento ataca o argumentador."

Este Blog dedica-se à política na esfera municipal em qualquer parte do país. Logo, casos de corrupção em nível estadual e federal estão disponíveis apenas no meu Facebook. Raramente trato deles aqui.
Me adicione no Facebook: Aldeir Félix Honorato
Siga-me no Twitter: @AldeirFHonorato

sábado, 13 de agosto de 2011

QUANTO CUSTA SER DEPUTADO FEDERAL


Cruzamento inédito mostra como o dinheiro é decisivo na disputa por uma vaga na Câmara. Para ser eleito deputado federal no Brasil, há uma série de exigências formais e uma grande exigência informal. RICARDO MENDONÇA (TEXTO), ALBERTO CAIRO E MARCO VERGOTTI (GRÁFICO) COM ÂNGELA PINHO, DANILO THOMAZ E MATHEUS PAGGI - REVISTA ÉPOCA, 13/08/2011 - 08:00


As formais estão na Constituição: o candidato precisa ter mais de 21 anos, nacionalidade brasileira e filiação partidária. A exigência informal não está em nenhuma lei, mas é tão verdadeira quanto as demais: para ser eleito, é preciso ter muito dinheiro.

ÉPOCA cruzou os resultados das eleições de 2010 com os dados de financiamento de campanha de 3.767 candidatos a deputado em todo o país. A conclusão é que em todos os Estados há uma forte correlação entre arrecadação de dinheiro e sucesso eleitoral.

As estatísticas provam que é até possível arrecadar muito dinheiro e mesmo assim perder a eleição. Mas parece dificílimo vencer sem arrecadar muito.

Juntos, os 3.767 candidatos a deputado captaram R$ 887 milhões. Os 513 eleitos mais os 58 suplentes que assumiram alguma cadeira na Câmara após licença do titular foram responsáveis por 70% do montante.

O Estado que teve a eleição proporcionalmente mais cara foi Roraima, onde cada voto custou R$ 66,16.

Entre os eleitos, o campeão em receitas foi Sandro Mabel (PR-GO), com R$ 4,9 milhões. Já o custo por voto mais alto foi de Edio Lopes (PMDB-RR), com uma média de R$ 152,14 para cada eleitor. Curiosamente, os dois candidatos que mais arrecadaram no país não foram eleitos.

Confira abaixo o gráfico interativo, que apresenta outros tipos de cruzamento e dados exatos de cada candidato sobre a arrecadação, o voto e o custo do voto.

Nenhum comentário: